Entre os livros do Novo Testamento, Efésios, é, provavelmente, um dos livros mais difíceis. Aos Efésios o Apóstolo Paulo expõe o Mistério do Evangelho, a Exaltada Natureza de Cristo, eventos Apocalípticos dos Últimos Dias, e a Guerra Espiritual contra o Poder das Trevas. A carta aos efésios foi escrita em Grego, têm inúmeras referencias ao mundo romano e discussões aprofundadas a respeito das Escrituras Judaicas. Tudo isso o torna um livro ímpar no Novo Testamento.

Sobre a Autoria. A carta é atribuída ao Apóstolo Paulo (1:1; 3:1). Esta atribuição nunca havia sido questionada até o século 19. Os pais da igreja como Ignácio, Policarpo, Clemente de Roma, sempre atribuíram a carta aos Efésios ao Apóstolo Paulo. Ao mesmo tempo, os Pais da Igreja admitiam que havia características diferentes de outras cartas do mesmo Apóstolo, porém, mesmo assim, segundo os Pais, a carta demonstra os sentimentos piedosos de Paulo aos Efésios. Por isso, a carta, sempre foi considerada da autoria do Apostolo dos gentios. (Osborne)

Como dito, foi somente partir século 19 que acadêmicos passaram a duvidar da autoria de Paulo, dessa forma, hoje muitos estudiosos acadêmicos entendem que a carta aos Efésios não é de Paulo. Há inúmeros argumentos para negar a autoria do Apóstolo dos gentios, entre os argumentos estão a Linguagem, o Estilo e, há 125 palavras que não são encontradas em nenhuma outra carta do mesmo Apóstolo. Há ainda, sentenças como “Pai da Glória”, Mistérios da Sua vontade”, “desejos da carne” que não são encontradas em outras fontes paulinas. Outro argumento é que as sentenças são longas e impessoais – isto é, há pouco interação com os leitores ou notícias da situação que o autor se encontra. Assim, muitos concluem que autor da carta não conhecia a situação dos efésios. E, outro fato, é a forte conexão entra a carta aos efésios e a carta aos colossenses, muitos acreditam que o autor de efésios copiou em parte a estrutura da carta aos colossenses, para se passar por Paulo.

Não há dúvidas que Efésios e Colossenses compartilham a mesma linguagem, os mesmos temas e estrutura. Porém, isso não é um argumento forte o suficiente para afirmar que Efésios foi copiada posteriormente. Principalmente porque é entendido que as cartas, efésios e colossenses, foram escritas ao mesmo tempo.

Outra questão é que, não é verdade que a carta seja impessoal. Paulo reflete em 3: 1-6, o significado do seu ministério e declara-se como “prisioneiro de Cristo”. E ainda, em 1: 15-19, o Apóstolo faz uma longa oração pelos efésios, e em 3:14-21, apresenta um sentimento pastoral para com os seus leitores. Dificilmente algum escritor tardio faria isso para que as pessoas acreditassem que ele era Paulo, principalmente em um momento da história que isto era pouco usual. (Carson, Moo e Morris)

Outro argumento em favor da autoria paulina é, os temas teológicos da carta aos efésios são todos consistentes com os temas das outras cartas do Apóstolo, e, aprofundados, isso não deixa espaço para que outro autor tenha meramente copiado os temas.

Em suma, ambas as cartas foram escritas pelo Apóstolo Paulo. Não há motivos concretos para desacreditá-la. Como vimos, é possível que Paulo tenha escrito efésios e colossenses ao mesmo tempo e, por isso incluiu o que acreditava ser necessário para as duas igrejas. As duas cidades eram próximas, parte da mesma província, e compartilhavam muitas questões semelhantes.

Sobre a Data. É comumente aceita que é uma carta enviada da prisão. Como em Filemom, Filipenses e colossenses, Paulo chama a si mesmo de “prisioneiro3:1; 4:1. A questão é em qual aprisionamento. Paulo foi encarcerada em Filipos Atos 16: 19-34. Depois vemos Paulo ser preso em Cesaréia Atos 23:23; e 26:32. E em Roma Atos 28- 11-31. O Ministério de Paulo em Éfeso provocou o fim da terceira viajem missionária Atos19: 35-41; I Co 15:32.

As Prisões em Filipos e Éfeso foram curtas. A escolha, para saber de qual aprisionamento Paulo escreveu sua carta está entre Cesaréia e Roma.

Em Cesaréia, o Apóstolo esperou por dois anos enquanto o governador Félix esperava um suborno de Jerusalém. Os líderes em Jerusalém pressionavam o governador para que executasse Paulo. Sabe-se pouco do realmente aconteceu neste aprisionamento em Cesaréia.

Já os detalhes do aprisionamento em Roma são melhores.  O Apóstolo ficou no cárcere romano entre ano 60-62, sabemos que a carta aos Filipenses foi escrita no fim deste período, Fl 1:20-23; 2:23-40.

Como vimos, colossenses e efésios foram cartas escritas ao mesmo tempo. Há um debate sobre qual delas fora escrita primeiro. Porém, o mais comum é o entendimento que efésios é um material ampliado a partir de colossenses. Assim, a melhor data para efésios é entre 61-62 depois da carta de colossenses enquanto o Apóstolo esperava o julgamento romano.

A carta aos efésios foi entregue a Tíquico junto com a carta de colossenses e a carta a Filemom. Então, sabemos que as três cartas foram escritas no mesmo período de três a quatro meses.

Sobre os Destinatários. Não vemos muitas questões locais nesta carta isso significa que Paulo estava escrevendo a um público mais geral. Em inúmeros manuscritos Efésios 1:1, está faltando. O consenso é que os efésios fizeram que a carta circulasse por outras igrejas que estavam na mesma província romana. A província da Ásia. Incluindo as sete igrejas citadas em Apocalipse 2:3 e a cidade dos colossenses. Isto é, a carta foi enviada para Éfeso, na igreja mãe e depois eles fizeram que circulasse por outras igrejas da província.

A Ásia ocupou 1/3 do que hoje é a Turquia. Foi uma verdadeira província pró-Roma e isso resultou em enriquecimento. A capital era Pérgamo, mas o centro das atividades cristãs foi Éfeso. Foi uma grande cidade do Império Romano, atrás apenas de Roma e Alexandria. Moravam em Éfeso e nos arredores cerca de 250 mil pessoas. Em Éfeso esta o maior porto da região se tornando o centro de trocas de toda a província. Era em Éfeso que estava uma das sete maravilhas do mundo antigo, o templo de Ártemis, nome grego da deusa que os romanos chamavam de Diana. Por isso, a cidade foi um grande centro religioso da província. Havia ainda três templos para o culto ao Imperador como uma divindade. As mágicas também eram praticadas, como menciona Atos 19:13-20. Por isso, os efésios tinham uma fascinação por coisas ocultas e guerras contra os poderes cósmicos.

Em Éfeso havia forte presença do judaismo. As leis romanas permitiam os judeus praticarem sua religião, porém, em Éfeso, há evidências de perseguição. E isso, refletiu em perseguições aos cristãos que foi inicialmente considerada uma seita judaica, (Shelley). As perseguições e a pressão popular contra a Igreja de Cristo permanecem até o ano 90, como vemos em Apocalipse.

O Apóstolo Paulo esteve em Éfeso por dois anos e foi o fim de sua terceira viagem missionária, Atos 19. Assim, quando escreveu a carta aos efésios havia passado 6 anos que saíra de Jerusalém. É possível saber a respeito dos 6 anos pelo número de cartas e porque o Apóstolo conhecia os líderes em Éfeso, Atos 20: 7-37. Sabemos que grande parte do seu ministério foi na Ásia por isso a carta foi endereçada a província que ele conhecia.

Sobre o Propósito da Carta. Os conhecimentos de Paulo, a respeito do que estava acontecendo em Éfeso, eram relatados por terceiros. Então, enquanto estava na prisão, percebeu alguns problemas-chaves e sentia a necessidade de escrever para eles.

Os leitores sabiam que Paulo estava preso e esperando o julgamento, e esperavam notícias, as quais viriam por intermédio de Tíquico 6:21-22.

Mas, como não há detalhes acerca dos problemas específicos da igreja em Éfeso, é difícil encontrar o propósito da carta. A carta aborda problemas universais como as tensões entre os judeus e cristãos.

Porém, é possível identificar 4 propostas de forma ampla.

  1. Soteriologia – Doutrina da Salvação. Os efésios estavam inseridos em uma cultura pagã, dessa forma, Paulo desejava ensiná-los a respeito da salvação, da reconciliação com Deus através do sacrifício expiatório de Cristo.
  2. Cristologia – A natureza de Cristo. Ele é exaltado como Senhor do universo seus seguidores são revestidos de poder para uma vida vitoriosa contra o pecado.
  3. Eclesiologia – Doutrina da Igreja. Deus através de Cristo transformou judeus e gentios em um só povo. Uma nova humanidade. A nova criação em Cristo resulta na Igreja.
  4. Guerra Espiritual. Cristo derrotou todos os poderes cósmico do mal, e este poder está disponível para Igreja vencer as forças do mal.

Referências

Carson, D. A., Douglas J. Moo e Leon Morris. Introdução ao Novo Testamento, Tradução de Márcio Loureiro Redondo. São Paulo: Vida Nova, 1997.

Osborne, Grant R. Ephesians Verse by Verse. Bellingham: Lexham, 2007.

Shelley, Bruce L. História do Cristianismo. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2020.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *