Paulo e os Filósofos. Cristo como o Diferencial do Apóstolo

Cristianismo & Filosofia
Paulo e os Filósofos. Cristo como o Diferencial do Apóstolo
/

Filipenses 4: “11. Não estou dizendo isso porque esteja necessitado, pois aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. 12. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. 13. Tudo posso naquele que me fortalece.” Filipenses 4: 11-13.

O Apóstolo Paulo descreve sua grande alegria pelo interesse renovado que os filipenses têm por ele, e, agora, podem demonstrar através de ofertas.(4.10). As ofertas servem como motivo de sua alegria, porém, o Apóstolo, não depende diretamente dessas ofertas para sobreviver. Paulo deixa claro que aprendeu a viver tanto na abundância como na escassez, isto é, o Apóstolo estava convicto que o Senhor o fortaleceria diante de qualquer circunstância.

Para dizer-se contente, o Apóstolo utiliza a palavra grega “autarkēs” que significa “autossuficiente”. Os filósofos estóicos consideravam uma grande virtude a capacidade de distanciar-se das circunstâncias e encontrar em si mesmo as capacidades para enfrentar qualquer situação adversa. Filósofos Cínicos, por exemplo, faziam questão de viver uma vida de privações para mostrar-se contentes no pouco. Os Cínicos, ainda diziam que os sábios não precisam de nada além de si mesmo. Porém, o Apóstolo, está mais alinhado aos estóicos, assim como de outras escolas filosóficas, na perseverança de continuar em Deus em meio a tribulações. Apesar deste conceito existir em alguns filósofos gregos, é uma ideia bem fundamentada no Antigo Testamento, nos mártires, nos profetas e servos fiéis ao Senhor.

Outra ideia que circulava entre os gregos era a de “moderação”, ou seja, buscar o meio-termo entre os extremos, apesar de importante no pensamento grego sobre a virtude, principalmente em Aristóteles, e também aparecer na ética judaica da diáspora. O Apóstolo vai em outra direção, a dos estoicos mais do que dos peripatéticos, o aristotelismo.

Assim, Paulo utilizava a palavra “autossuficiência” para deixar claro que não depende das circunstâncias. Porém, há um leve diferencial na filosofia cristã, o Apóstolo, se diz autossuficiente, porém, não por causa de si mesmo, mas por que Cristo age nele de forma tal que o Apóstolo sente-se satisfeito, independente das circunstâncias. (2 Co 12:9).

Outra expressão usada pelo Apóstolo Paulo é “Aprendi a viver”, era muito usada por seitas obscurantistas, para se referir a ensinamentos secretos, como segredos de iniciação, por exemplo. Porém, o segredo de Paulo era bem conhecido de todos, Cristo! O Senhor. Assim, quanto mais nos aprofundamos no conhecimento de Cristo maior o contentamento na graça independente das circunstâncias.

  1. Bíblia Palavra-chave, Hebraico e Grego
  2. Keener, Craig. Comentário Histórico-Cultural da Bíblia, Novo Testamento. São Paulo, 2017.
  3. Carson, D. A. Comentário Bíblico Vida Nova. São Paulo, 2009.

No Youtube:

 

Support this podcast: https://anchor.fm/cristianismoefilosofia/support

Leave a Reply

Your email address will not be published.